ESPORTES

Guarani só tem um jeito de sossegar a inconformada torcida


Guarani só tem um jeito de sossegar a inconformada torcida

Torcedor bugrino têm os seus reais motivos para críticas contundentes contra o presidente Ricardo Moisés e seus pares de diretoria, pelo descaso em que se encontra o futebol do clube.

Na reunião com torcedores, Moisés ratificou promessa de contratações pontuais, com ênfase para um nome de peso. Quem?

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC – –, 25/07/2022

Ricardo Moisés ficou nas promessas de reforços. (Foto: Thomaz Marostegan/Guarani FC)

Campinas, SP, 25 (AFI0 – BLOG DO ARI – Torcedor bugrino têm os seus reais motivos para críticas contundentes contra o presidente Ricardo Moisés e seus pares de diretoria, pelo descaso em que se encontra o futebol do clube.

Na reunião com torcedores, Moisés ratificou promessa de contratações pontuais, com ênfase para um nome de peso, reafirmado na fala do treinador Mozart Santos, domingo passado.

O inconformismo dos torcedores descambou até para sátira: ‘Peso? Seria um gordo de 100 quilos’, publicou um deles em um grupo de bugrinos em rede social.

Se cobra-se providencialmente a contratação pontual de um zagueiro, não se pode esquecer que Mozart comete a desproporção ao escalar o fraco Derlan, mesmo tendo à disposição Ronaldo Alves.

BLOG DO ARI – ENTRE E DEIXE SUA OPINIÃO !

GOLEIRO

O hábito de o goleiro Kozlinski ficar avançado desnecessariamente implica em sofrer gols nas bolas supostamente defensáveis.

Aí se questiona se não é o caso de buscar um goleiro mais confiável, até porque o reserva Rafael Martins também não transmite segurança.

MEIA E ATACANTES

Contratação de jogador requer uma série de fatores, nem sempre observada por dirigentes bugrinos.

Que o meia Marcinho já foi o diferencial no Sampaio Corrêa em 2020, não se discute.

Inclusive, naquela ocasião, até citei, neste espaço, para que fosse devidamente observado pelos clubes campineiros.

Aí, imaginando aquele meia que sabia arrancar com a bola, visão privilegiada de jogo e facilidade para finalizar, o Cruzeiro o contratou para a Série B do ano passado.

E Marcinho foi mal por lá.

Começo do ano, o Novorizontino ofereceu-lhe chance de recuperação, mas lá ele também não se firmou como titular.

Epa! Aí tem.

Guarani fez gol de pênalti. Foto: Thomaz Marostegan – GFC

QUEDA DE RENDIMENTOImprescindível, portanto, o processo investigativo pra se apurar o decréscimo de rendimento.

Como pode ter atuado tão mal se há uma máxima de que ‘quem sabe não desaprende’?

Portanto, eis aí um caso que requer explicação.

Por que o atleta não repete o futebol visto no Sampaio Corrêa?

Sem a devida resposta, o Guarani o contrata.

Na prática, mesmo num time criticado pelos torcedores, Marcinho não convence e desperdiça a chance de vaga entre os titulares.

BRUNO JOSÉ

O caso do atacante Bruno José tem mais clareza.

Em 2020, no Brasil de Pelotas (RS), destacava-se pela velocidade nos contra-ataques, num time que priorizava ficar atrás.

Logo, quando lançado em profundidade, encontrava generosos espaços para criar embaraço a adversários, mas funcionava basicamente na função de assistente de centroavante.

No Cruzeiro, clube que propõe o jogo, na maioria das vezes contra adversários retrancados, sucumbiu e acabou na reserva.

Neste espaço foi alertado sobre a característica do atleta e questionado se casaria com o estilo do Guarani.

LUCÃO

Se o centroavante Lucão não é jogador de recursos técnicos, que se vale da voluntariedade, evidente que poderia ser explorado com sabedoria no jogo aéreo, devido à estatura recomendável e impulsão.

Sim, dirão que na maioria das vezes o cabeceio dele não tem rumo e que não dimensiona o tempo de bola quando dos cruzamentos.

Aí cabe lembrança de como o saudoso Zé Duarte – com 18 anos de morte sábado passado – trabalhava atletas do tipo Lucão, para ser explorado no jogo aéreo.

Zé exigia que ponteiros e laterais chegassem ao fundo de campo, rente a linha final, com finalidade de cruzamentos pra trás, visando encontrar o centroavante de frente para o gol adversário e o zagueiro de lado.

E mais: Zé condicionava o cabeceador para o tempo de bola e rumo certo. Não se incomodava em ficar horas no mesmo exercício.

Isso é feito pelo treinador Mozart Santos e aqueles que o antecederam?

DOIS ATACANTES

Já que atacantes têm sido casos irremediáveis no Guarani, pela desconfiança dominada pelo torcedor, que tragam pelo menos dois jogadores da posição pra vestirem camisas. Aqueles que tenham discernimento para dribles em curto espaço e facilidade para finalizações.

E pra ontem! 

Confira também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.