Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 20 DE MAIO DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  20/05/2018   Maio Amarelo: como o Japão reduziu 80% das mortes no trânsito - O país asiático já teve um índice de mortes no trânsito muito parecido co...     20/05/2018   Um novo marco para o transporte de carga no Brasil - O Brasil passou por significativas transformações em várias esferas nas últimas déca...     20/05/2018   Combustível preocupa, diz Moreira Franco - O governo está preocupado com a alta da gasolina e vem conversando com a Petrobras para tentar...     20/05/2018   SEM RESPOSTA PARA A BR-116 - Já faz um mês que parlamentares da bancada gaúcha de partidos aliados ao governo decidiram encaminhar pedido...     20/05/2018   Demandas em aberto - A demanda inclui rodovias como: RS-115 (Taquara-Três Coroas), RS-287 (Tabaí-Paraíso do Sul) e RS-122 (Flores da Cunh...     20/05/2018   PRAÇAS E CONDIÇÕES DAS VIAS - Cinco anos depois da criação da EGR, a avaliação das estradas onde se localizam os postos de pedágio, confo...     20/05/2018   A EGR - -Começou assumindo, no início de 2013, três praças comunitárias do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer).     20/05/2018   Principais trabalhos concluídos - Construção de viaduto e duplicação de 4,2 quilômetros no trevo da cidade, na RS-287, começou em 2015 e ...     20/05/2018   CINCO ANOS ENTRE ESCASSEZ DE OBRAS E PEDÁGIO BARATO - EMPRESA GAÚCHA DE RODOVIAS, em operação desde 2013, cortou gasto dos usuários das e...     20/05/2018   Onde EGR concluiu maior obra, moradores querem volta das concessões - Com dois anos de atraso, a EGR entregou, no fim de abril, a maior o...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

16/05/2018

Um novo modelo para concessões rodoviárias

Editorial

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

10

1 votos

O governo federal decidiu fazer mudanças drásticas no modelo de concessão de rodovias, com o intuito de tornar os projetos mais alinhados com as demandas de órgãos de controle, principalmente com o Tribunal de Contas da União (TCU), e viabilizar os leilões ainda neste ano.

Assim, a ideia é estancar o mais possível os famosos aditivos, de onde saíram os superfaturamentos em esquemas de corrupção, como muito bem noticiado. Por isso, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) quer proibir a inclusão de novos investimentos para melhoria e ampliação de capacidade da rodovia nos primeiros cinco anos da concessão.

Essa proibição também valerá para os últimos cinco anos dos contratos, os quais costumam ter validade de 30 anos. Nos dois períodos, o concessionário só poderá executar aquilo que já estava previsto no contrato.

Atualmente, essas proibições não existem. Assim, prazos e as obras serão executadas conforme demandas apresentadas pelas empresas ou pela ANTT.

Normalmente, a realização de investimentos não previstos tem como consequência uma elevação nas tarifas de pedágio, para restabelecer o equilíbrio financeiro do contrato.

O governo também decidiu proibir a inclusão de investimentos fora das revisões a cada cinco anos dos contratos.

A ideia é que a concessão concentre--se apenas em seu estoque de obras já incluso na concessão. Novas intervenções só poderão ser apresentadas após o término desse estoque.

Grandes obras não previstas originalmente no contrato terão de ser discutidas. A construção de contornos urbanos, por exemplo, ficará condicionada à comprovação das vantagens dessa obra em relação a outras, e só poderá ser realizada após a realização de audiência pública, processo que hoje não existe.

O aumento dos pedágios para bancar obras como a construção de uma pista adicional só poderá ocorrer depois que o projeto for entregue pela concessionária.

Hoje, esse custo é cobrado conforme o avanço do empreendimento, embutido na tarifa de pedágio do usuário da rodovia.

Ora, para os leigos tudo parece muito óbvio nas novas regulamentações propostas.

Mas, repete-se, sempre foi por meio delas que aditivos e obras superfaturadas com desvio de bilhões de reais viraram uma notícia quase corriqueira no Brasil.

Importa é que as concessões sejam feitas de maneira transparente e que reajustes de tarifas não venham em prejuízo tanto do erário quanto dos usuários, os que, aqui no Rio Grande do Sul, não reclamam demais do que pagam, desde que recebam em troca bons serviços e rodovias em perfeitas condições e os serviços afins, como socorro humano, mecânico e reboque.

E isso tem sido uma realidade em boas rodovias concedidas e pedagiadas.

A renovação das concessões também foi modificada.

Os novos editais vão permitir que seja feita a prorrogação contratual por até cinco anos após o término da concessão, prazo que poderá chegar a, no máximo, 10 anos, e por uma única vez, para fins de reequilíbrio financeiro da concessão por conta da execução de novas obras.

O interesse das empresas nas novas propostas, no entanto, segue inalterado, segundo especialistas no setor das concessões.

As empresas do setor seguem interessadas nos projetos e respeitarão as regras dos contratos.

Porém, um alerta, pois quem poderá não receber bons serviços será o usuário, nos casos em que obras necessárias apareçam, mas não possam ser executadas por causa de regras desse tipo.

Então, a conferir, no futuro.

 

Por Jornal do Comércio - RS

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Um novo marco para o transporte de carga no Brasil

Um País para ser construído

Um novo consumidor

O isolacionismo brasileiro

Desejo de ir além

Maio Amarelo: como o Japão reduziu 80% das mortes no trânsito

Combustível preocupa, diz Moreira Franco

SEM RESPOSTA PARA A BR-116

Demandas em aberto

PRAÇAS E CONDIÇÕES DAS VIAS

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística